Imprensa

 

Vários itens passam a ter o selo do Inmetro a partir de julho

A certificação compulsória de autopeças com o selo do Inmetro passa a valer para a comercialização de vários itens, como amortecedores, buzinas, lâmpadas e itens de motor (bronzina, pistões, pinos e travas, anéis de pistão), além de baterias. A regra é válida para os produtos acima que são vendidos no mercado de reposição seja na loja de autopeças ou na rede de concessionárias. Todos devem conter o selo do Inmetro indicado na embalagem e na gravação das peças.

Uma série de etapas teve ser cumprida para certificar as autopeças no período de 36 meses. Fabricantes, montadoras e importadores tiveram de se adequar processos para homologar os produtos para o mercado de reposição. Até chegar à comercialização obrigatória que passa a vigorar a partir de julho em lojas e concessionárias, foi feito um amplo trabalho que envolveu todo um processo, com testes e ensaios dos componentes.

Há varias questões que devem ser de conhecimento do mercado. Por exemplo, com relação à bateria de chumbo, conforme prevê a portaria nº 299/2012, todos os produtos, inclusive os destinados à linha de montagem das montadoras e para o mercado de reposição, incluindo os veículos de produção descontinuada em qualquer data, devem conter o selo do Inmetro.

Para os outros componentes, há várias questões e que estão descritas no site do Inmetro.

A certificação de autopeças foi criada a partir da necessidade de atualização tecnológica de autopeças e para também garantir a qualidade dos componentes automotivos, e, consequentemente, assegurar o desenvolvimento do mercado de reposição. O objetivo da certificação, realizada por meio do Inmetro veio para propiciar aos consumidores qualidade nas peças automotivas já que os componentes devem estar dentro da conformidade para entrarem no mercado.

A medida inibe o mercado informal ou pirata de autopeças já que o consumidor pode reconhecer as peças de qualidade, por meio do selo do Inmetro.

Vários componentes estão em processo de certificação, entre eles, rodas automotivas, freios hidráulicos de veículos, vidro de segurança temperado de veículo rodoviário e vidro de segurança laminado de para-brisa de veículo rodoviário.

Elias Mufarej é coordenador do GMA – Grupo de Manutenção Automotiva, e conselheiro do Sindipeças para o mercado de reposição 

Add Pingback