Imprensa

 

Artigos

Cuidar do automóvel contribui para a segurança no trânsito e valoriza o preço na revenda

08 mar, 2012

Assim como num avião, todas as peças e componentes de um carro são fundamentais para o seu funcionamento. Detalhes simples que, muitas vezes, passam despercebidos pelo motorista podem ser fundamentais em uma situação de perigo, como frear rápido e dirigir em segurança na chuva. O êxito dessa operação depende da habilidade do motorista que também precisa contar com sistema de freio em boas condições e pneus com calibragem adequada e em bom estado de uso. 

Às vezes, componentes simples que nem damos conta de sua função, podem ser cruciais, como as palhetas do pará-brisa, que na hora de uma chuva forte se tornam essenciais para garantir a visibilidade do motorista. Por isso, devem estar em perfeito estado e serem trocadas quando a borracha começa a ressecar para que também não risque o pára-brisa, causando um prejuízo dez vezes maior que o valor das palhetas. São detalhes como esse que o motorista deve ficar atento.

Considerando que o Brasil tem uma frota de veículos estimada em 25 milhões de unidades, somando automóveis, caminhões e ônibus, e que 45% desse número tem idade acima de 10 anos, com mais de 100 mil quilômetros rodados, os motoristas se vêem ameaçados todos os dias no caos do trânsito das grandes cidades e rodovias por onde circulam veículos em situações precárias de uso. Só no Estado de São Paulo, 3,6 milhões de veículos já ultrapassaram os 20 anos de uso, são isentos de IPVA, mas rodam normalmente, colocando em risco a vida dos ocupantes e também a de outros motoristas. No ano passado, a Polícia Rodoviária Federal autuou mais de 17 mil motoristas nas rodovias brasileiras por circularem com veículos sem as mínimas condições de segurança.  

O fator idade deve ser levado em consideração quando o assunto é automóvel. Estamos falando de um sistema de peças integradas que quando uma delas falha pode ser fatal. É claro que muitos carros com idade superior a 10 anos podem estar mais bem conservados do que os seminovos. Existem muitas variáveis: forma como condutor dirige, manutenções periódicas, substituição de peças que sejam de qualidade, entre outros fatores que influenciam diretamente na boa conservação do veículo.

O motorista precisa enxergar o seu carro como uma máquina que necessita de manutenção para garantir o seu perfeito funcionamento, seja um veículo de apenas um ano até os mais rodados. Claro, que com a idade, os carros exigem mais cuidados, pois as peças se desgastam naturalmente com o uso e o tempo.

Por isso, a melhor forma para evitar surpresas inconvenientes é fazer a manutenção preventiva em uma oficina de sua confiança. Assim, é possível programar os gastos com veículo, mantendo-o com o motor regulado, medida que contribui para a diminuição de emissões de poluentes, item que, a partir e 2008, será obrigatório com a implantação da Inspeção Veicular Técnica pela Prefeitura de São Paulo quando o veículo for licenciado.  Além disso, as revisões periódicas aumentam o valor do carro na hora da revenda. Um carro seminovo, que está com boa aparência e também em bom funcionamento, atrai maior número de possíveis compradores e vale mais do que outro do mesmo modelo que não está em boas condições. Há proprietários mais cuidadosos que fazem questão de guardar até as notas fiscais de todos os reparos efetuados no veículo, como se fosse um registro completo relatando todos os passos da vida do carro. São exemplos raros de motoristas que tratam o carro como um xodó, em muitos casos, o excesso de cuidados vira até uma mania e um hobby.

Exageros à parte, a manutenção preventiva deve ser adotada pelos motoristas por medida de segurança acima de tudo. Com isso, não se brinca!
Procure o mecânico de sua confiança e faça revisão em seu carro, antes que os problemas apareçam.  

*Antônio Carlos Bento é coordenador do GMA – Grupo de Manutenção Automotiva composto pelo Sindipeças – Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores; Andap – Associação Nacional dos Distribuidores de Autopeças; Sincopeças-SP – Sindicato do Comércio Varejista de Peças e Acessórios para Veículos no Estado de São Paulo; Sindirepa-SP – Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo, entidades que representam a cadeia de reposição independente de veículos.




Add Pingback