Imprensa

 

Certificação vem para garantir a procedência da peça 

Assim como em outros setores, a certificação de autopeças tem como objetivo garantir a qualidade do produto ao consumidor. Esse trabalho vem avançando e, em julho, novos itens passam a serem comercializados no varejo com o selo do Inmetro. São amortecedores, buzinas, pistões, pinos e travas, anéis de pistão, bronzinas e lâmpadas. É importante destacar que a portaria foi publicada em 2011 e o prazo para efetivar a implantação foi de 36 meses, passando por várias etapas. Os fabricantes tiveram de se adequar e passar a produzir desde janeiro de 2013, distribuidores e importadores precisaram cumprir o prazo até julho de 2013 para começar a fornecer somente peças certificadas e a obrigatoriedade para o varejo será em julho de 2014.

O site do Inmetro terá todas as informações de fabricantes, com descrição dos itens certificados para facilitar a consulta. É importante que o varejista fique atento e faça o controle rigoroso do seu estoque e consulte fabricantes para tirar possíveis dúvidas.

A medida, que já foi eficaz em outros setores, vem para garantir a procedência e qualidade da peça, o que é bom para todos os elos da cadeia do mercado de reposição, mas, acima de tudo, mostra a preocupação do setor com relação ao consumidor que contará com a chancela do Inmetro, oferecendo mais segurança na aquisição do produto.

Este trabalho de certificação vem sendo intensificado, outros componentes iniciam o processo de homologação do Inmetro. O Sindipeças acompanha todo o processo que também contou com a participação das outras entidades do setor de reposição na parte final. Todos os elos da cadeia precisam estar envolvidos. Por isso, esse tema tem sido debatido constantemente nas reuniões do GMA, está em pauta há muito tempo e vem sendo amplamente divulgado. Contudo, nesta fase, que antecede a implantação e até mesmo depois de entrar em vigor é necessário manter o mercado informado.

O intuito deste importante programa é coibir a comercialização de peças que não apresentam as mínimas condições exigidas de padrão de qualidade. Isso vale para produtos fabricados no Brasil e importados. Todos deverão ter o selo do Inmetro nas embalagens para facilitar a identificação, inclusive as peças comercializadas pelas concessionárias. A regra vale para todos.

Elias Mufarej é coordenador do GMA – Grupo de Manutenção Automotiva, e conselheiro do Sindipeças para o mercado de reposição  

Add Pingback